15.5.08

CAROS,

O Teatro o bando encontra-se agora na fase de preparação de um grande espectáculo, SAGA – ópera extravagante.

Navegando pela poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen, cruzando os mares sonoros de Jorge Salgueiro, e atravessando a encenação de João Brites, a SAGA será um mega-evento estival que terá lugar no amplo claustro interior do Museu de Marinha – Mosteiro dos Jerónimos, entre 19 de Junho e 13 de Julho (de quinta a domingo às 21h30).



Desenvolvida em co-produção com a Marinha, a SAGA – ópera extravagante é também um local de encontro de diferentes vozes e linguagens artísticas, apresentando bailarinos (como Pedro Ramos e Sandra Rosado), actores (como Ana Brandão) e cantores ligados ao universo lírico (como Filipa Lopes e Inês Madeira), ao universo popular (como Francisco Fanhais), e ao universo rock (como Fernando Ribeiro ou Rui Sidónio, vocalistas dos Moonspell e Bizarra Locomotiva, respectivamente).



Assim, convidamo-vos a acompanharem o desenvolvimento deste espectáculo, na redescoberta de um dos maiores monumentos históricos portugueses e de uma das maiores poetisas de sempre (junto segue mais alguma informação). Esperamos encontrar-vos por lá, saudações teatrais do mundo rural,



Miguel Jesus



Comunicação

Teatro o bando
Vale dos Barris - Apartado 152 - 2950 Palmela - PORTUGAL
T. + 351 21 233 68 50 | F. + 351 21 233 42 41 | M. + 351 91 609 22 36
e-mail. comunicacao@obando.pt | site. www.obando.pt


EDIÇÃO:
AMELIA

13.5.08

Mangueira serve sala de aula

Mangueira serve sala de aula há 18 anos para ensinar língua portuguesa Pier de Carvalho, antigo combatente das forças armadas portuguesas na Guiné-Bissau, ensina há 18 anos numa escola improvisada, debaixo de uma mangueira no Bairro de Santa Luzia em Bissau, para tentar salvar a língua portuguesa.

Actualmente, cerca de cem crianças frequentam o "estabelecimento de ensino", debaixo da árvore de fruto, onde aprendem ortografia, caligrafia, geometria e ciências.

Em funcionamento desde 1990, a escola do professor Pier é das poucas que ainda ensinam à moda antiga, como na "época colonial".

O velho professor gosta do seu trabalho, mas lamenta que as crianças "hoje em dia não falem o português". "Querem falar o francês ou o inglês, o português é que não gostam de falar, talvez por complexo de errar.

Mas aqui sabem que têm que tentar falar o português", sublinhou o professor.
Pier de Carvalho culpa os pais das crianças que "não gostam de falar o português em casa" e o ensino oficial do país pelo nível da língua de Camões na Guiné-Bissau.

"Qualquer dia ainda será difícil encontrar um jovem guineense que saiba falar o português correctamente", disse. Pier de Carvalho dá como o exemplo as "calinadas" que, disse, se cometem na aplicação correcta dos termos em português.

"Na Guiné-Bissau é normal dizer 'arrancar' em vez de 'começar' quando se quer indicar o início de uma coisa", disse o professor, frisando que o termo é utilizado de forma errada. "'Arrancar' é dar início a uma coisa através de um processo mecânico, como os motores, agora 'começar' é dar início a uma actividade humana", explicou Pier de Carvalho.
"É este tipo de coisas que também tento ensinar às crianças, para que saibam empregar os termos da linguagem de forma correcta", disse.
Pier de Carvalho é guineense mas serviu a tropa colonial portuguesa como soldado atirador de artilharia e mais tarde foi destacado como professor para o posto escolar militar número 10 na Ponte-Caium, entre Pitche e Burumtuma, no leste da Guiné-Bissau. De 1972 a 74, Pier de Carvalho ensinou as crianças guineenses e os soldados portugueses "com pouca instrução escolar".

Finda a guerra colonial, Pier de Carvalho ainda trabalhou no Ministério da Educação guineense. Mas com o tempo compreendeu que "não dava" para continuar como funcionário público. Para ensinar as crianças, Pier de Carvalho decidiu enveredar pelo o ensino privado, montando a sua própria escola.

Só que, por falta de meios para alugar uma casa, o velho professor apenas tinha uma escolha: ir para debaixo de uma mangueira. "Às vezes apanhamos com o sol e com a chuva e somos obrigados a interromper as aulas", disse Pier de Carvalho. Embora não seja uma escola oficial, o professor Pier dá aulas de explicação às crianças "com paciência e com amor" de segunda a sexta-feira.

De manhã e de tarde, os alunos, entre os cinco e 15 anos, saem das explicações e vão para a escola oficial. A mensalidade varia entre 500 a 1000 francos CFA (cerca de 1,5 euros). Mas, às vezes, acontecem situações em que os pais das crianças não conseguem pagar a mensalidade por falta de dinheiro, sublinhou o professor que, nesses casos, aceita as desculpas que lhe são apresentadas.
"Ensino as crianças por paixão, não por dinheiro", sublinhou Pier de Carvalho.


este artigo é da Agencia Lusa -- Por Mussa Balde


edição: amélia

       Encontro Internacional sobre Políticas de Intercâm...
 CONVITE
 Mindjer, vota i sedu candidata!
 
 Mindjer, vota i sedu candidata!
 GREVE DE SEXO
 Mindjer, vota i sedu candidata!
 Mindjer, vota i sedu candidata!
 Mindjer, vota i sedu candidata!
 Episódio 6 Mindjer, vota i sedu candidata!...
 Dezembro 2005
 Janeiro 2006
 Março 2006
 Abril 2006
 Setembro 2006
 Outubro 2006
 Agosto 2007
 Outubro 2007
 Novembro 2007
 Fevereiro 2008
 Março 2008
 Maio 2008
 Outubro 2008
 Novembro 2008
 Fevereiro 2009
 Novembro 2009


 
     
 
Powered by Blogger